Governo do Estado do Rio Grande do Sul
Início do conteúdo

Planificação da Atenção Primária à Saúde

Planificação da Atenção Primária à Saúde é uma das ações que compõem a Planificação da Atenção à Saúde e pretende problematizar e refletir sobre o papel da APS como ordenadora da rede, fornecendo apoio técnico às equipes gestoras municipais e trabalhadores da área, para qualificar a organização da rede de acordo com os princípios do SUS.

Essa ação é uma parceria do Conselho Nacional dos Secretários de Saúde (CONASS) com a Secretaria de Estado da Saúde (SES) do RS. O processo de Planificação da Atenção à Saúde tem as Coordenadorias Regionais de Saúde como pontos fundamentais, uma vez que é a partir desse recorte que são selecionadas as próximas regiões e municípios a serem Planificados, a exemplo do processo de Planificação que vem ocorrendo na 4ª CRS e que iniciou em setembro de 2017 na 18ª CRS, com adesão de 100% dos municípios das Regiões de Saúde 04 e 05.

A apresentação realizada pelo Consultor do CONASS, Eugênio Vilaça Mendes, na 18ª CRS poderá ser visualizada clicando em: A integração em redes da atenção primária (APS) e da atenção ambulatorial especializada (AAE) 

O Processo de Planificação da Atenção à Saúde consiste em três momentos principais:

A primeira oficina de alinhamento conceitual realizada pelo CONASS é denominada “Oficina Mãe”, como descrita anteriormente. As demais oficinas são realizadas no primeiro momento com os facilitadores designados pela SES e COSEMS que, em seguida, devem multiplicar para todos os profissionais da APS e representantes de outras áreas das Secretarias Municipais de Saúde.

Os temas das oficinas são apresentados no quadro abaixo:

Oficinas

Oficina 1 - Redes de Atenção à Saúde

Atividade 1 - Proposta da Planificação da Atenção à Saúde - 18ª CRS

Atividade 2 - A oficina de Redes de Atenção à Saúde Oficina 1 - 18ª CRS

Atividade 7 - RAS - conceito, fundamento e elementos constitutivos - 18ª CRS

Oficina 2 - Atenção Primária à Saúde

Apresentação - Objetivos da Aprendizagem - 18ª CRS

Apresentação - Sistematização da Oficina - 18ª CRS

Oficina 3 - Territorialização e Vigilância em Saúde
Oficina 4 - Organização da atenção aos eventos agudos e às condições crônicas na Atenção Primária à Saúde
Oficina 5 -  Assistência Farmacêutica e Apoio Diagnóstico
Oficina 6 - Monitoramento e Avaliação na Atenção Primária à Saúde

Após as oficinas, os temas abordados serão discutidos e aplicados nos territórios, no período de dispersão com o apoio da tutoria.

O processo de tutoria desenvolve-se por meio do apoio direto aos profissionais e equipes no exercício de suas funções assistenciais e gerenciais.

Os tutores são técnicos de nível superior das Secretarias Municipais de Saúde, com conhecimento e vivência na APS, com liderança e disposição para apoiar a condução das oficinas e responsáveis pelo suporte às equipes nos municípios.

A tutoria não é um processo de fiscalização ou de avaliação de desempenho e nem mesmo de definição sobre o que os profissionais devem fazer. Pelo contrário,  é um “fazer junto”, sem substituir o profissional nas suas funções e responsabilidades, ajudando-o na reflexão sobre a própria prática, na identificação de fragilidades e nas ações corretivas necessárias. O objetivo é o de fortalecer as competências de conhecimento, habilidade e atitude.

Organiza-se em oficinas tutoriais que compreendem três momentos principais:

  • Momentos de resgate da fundamentação teórica, sempre breves e objetivos, inseridos na discussão dos processos e remetendo ao processo de educação permanente, quando necessário.
  • Momentos de supervisão in loco da atividade, num diálogo com o seu responsável direto. A supervisão deve checar a atitude do profissional, o seu conhecimento e aplicação das normas e recomendações; verificar o desenvolvimento da atividade frente às normas e recomendações vigentes; verificar o registro do processo no prontuário e nos sistemas de informação; identificar inconformidades e propor as ações corretivas.
  • Momentos de avaliação dos problemas ou inconformidades identificadas, análise de seus fatores causais, priorização e elaboração de um plano de ação, seguindo-se os outros passos do ciclo do PDSA.

Conheça mais sobre o Processo de Tutoria proposto pelo CONASS, acessando em: Tutoria - CONASS - 18ª CRS

Para garantir a continuidade do cuidado no nível de atenção secundária, para onde são referenciados os usuários com condições de saúde mais complexas, estratificadas como alto e muito alto risco, há que se organizar também a AAE, e promover a integração entre os dois níveis de atenção. Também é utilizada a metodologia de ciclos mensais de oficinas tutoriais, com a organização progressiva dos macroprocessos, em momentos de concentração e dispersão.

Acesse também:

Guia do Participante

Programação da Planificação na 18ª CRS 

Portaria nº 171 - Criação do Grupo Condutor Estadual da Planificação da Atenção à Saúde (GCPAS) no estado do Rio Grande do Sul

Acesse o Boletim Informativo sobre a Planificação, o Material Orientador e Organizador da Planificação da Atenção à Saúde e a  Nota Técnica 01/2017 - Atenção ao Pré-Natal na Atenção Básica.

A Palestra do Dr. Eugênio Vilaça Mendes sobre Redes de Atenção à Saúde pode ser acessada pelo link: 

https://www.youtube.com/watch?v=IubeEMHiWsI

Para conhecer o Projeto Piloto da 4ª CRS - Região de Saúde 1 e 2 clique abaixo.

Conteúdos relacionados

Por favor, aguarde até que o procedimento seja concluído.

Carregando
Matriz PROCERGS versão 2.0