Governo do Estado do Rio Grande do Sul
Início do conteúdo

Coronavírus (COVID-19)

Orientações aos profissionais e gestores para investigação de Coronavírus (COVID-19)

Coronavírus é uma família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus foi descoberto em 31/12/19 após casos registrados na China. Provoca a doença chamada de coronavírus (COVID-19).

Abaixo estão elencadas as definições de casos e os materiais destinados aos profissionais e gestores do estado do RS.

Definições de Casos Operacionais

Considerando a existência de fase de transmissão comunitária da COVID-19, é imprescindível que os serviços de APS/ESF trabalhem com abordagem sindrômica do problema, não exigindo mais a identificação do fator etiológico por meio de exame específico. Desta forma, o MS recomenda o foco na abordagem clínica da Síndrome Gripal e da Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), independentemente do agente etiológico.

SINAIS E SINTOMAS DA SÍNDROME GRIPAL

O paciente com a doença COVID-19 apresenta geralmente os seguintes sintomas e sinais:

• Febre (>=37,8ºC);

• Tosse;

• Dispneia;

• Mialgia e fadiga;

• Sintomas respiratórios superiores; e

• Sintomas gastrointestinais, como diarreia (mais raros).

O quadro clínico inicial da doença é caracterizado como Síndrome Gripal (sinais e sintomas acima). O diagnóstico sindrômico depende da investigação clínico-epidemiológica e do exame físico. Conduta uniforme é sugerida para todos os casos de SG no contexto da APS/ESF, dada a impossibilidade de atestar com 100% de segurança se a SG é causada pelo SARS-CoV-2 ou por outro vírus.

Após confirmar a presença de Síndrome Gripal, é fundamental estratificar a gravidade dos casos, a fim de identificar rapidamente casos suspeitos de Síndrome Respiratória Aguda Grave.

SÍNDROME RESPIRATÓRIA AGUDA GRAVE – SRAG

Indivíduo de qualquer idade, com Síndrome Gripal (conforme definição anterior) e que apresente os seguintes sinais de gravidade:

• Saturação de SpO2 <95% em ar ambiente;

• Sinais de desconforto respiratório ou aumento da frequência respiratória avaliada de acordo com a idade;

• Piora nas condições clínicas de doença de base;

• Hipotensão;

• Indivíduo de qualquer idade com quadro de insuficiência respiratória.

Em crianças, além dos itens anteriores, observar os batimentos de asa de nariz, cianose, tiragem intercostal, desidratação e inapetência.

Atualizado: 01/04/2020. Protocolo Manejo Clínico na APS - versão 6. MS, 2020.

Mais informações:
  • Materiais de apoio construídos para os profissionais de saúde e gestores da Atenção Primária à Saúde
  • Painel Coronavírus do Ministério da Saúde 
  • contato de whatsapp para a população tirar dúvidas
  • plataforma para a população também tirar dúvidas gerais e sobre sintomas (TeleSUS).

Acesse abaixo os materiais orientativos destinados aos profissionais e gestores:

Arquivos anexos

Por favor, aguarde até que o procedimento seja concluído.

Carregando
Matriz PROCERGS versão 2.0